ico Carregando...
Logo SEEL

Seminário Internacional Paralímpico Escolar 2019 acontecerá em Sergipe com apoio do Governo do Estado

Autor: Ítalo MarcosVisitas: 141
30 de abril de 2019

Twitter Facebook WhatsApp WhatsApp

Imagem de Capa

O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) realizará, no período de 18 a 20 de julho de 2019, em Aracaju, o II Seminário Internacional Paralímpico Escolar. O seminário será voltado para professores da área de Educação Física que estão atuando em escolas das redes estadual, municipais e particular, além de profissionais atuantes na área do esporte. O seminário acontecerá com o apoio do Governo de Sergipe, por intermédio da Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura, na Universidade Tiradentes (Unit), campus Aracaju, e contará com 12 minicursos, que serão ministrados por professores renomados, além de conferências, mesa-redonda e debates.

Em uma reunião realizada na manhã desta terça-feira, 30, o superintendente executivo da Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura (Seduc), professor Ricardo de Santana, recebeu o vice-presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, Ivaldo Brandão, ocasião em que foi firmada parceria para a divulgação da realização do evento.

O encontro contou com a participação da superintendente especial de Esportes da Seduc, Mariana Dantas; do presidente do Conselho Regional de Educação Física (CREF-20), Gilson Dórea; e do coordenador geral da Academia Paralímpica Brasileira, José Fernandes Filho.

O Seminário Internacional Paralímpico Escolar tem como principal objetivo capacitar professores de Educação Física para trabalharem com alunos com necessidades especiais.

O valor da inscrição é de R$ 50 por participante (taxa única) e inclui a participação geral no evento, minicursos e trabalho científico. A data limite para envio dos trabalhos é dia 15 de maio, e os interessados devem se inscrever através do site: http://seminarioescolar.cpb.org.br/internacional/

O público-alvo do evento são profissionais e alunos de Educação Física, Fisioterapeutas, Nutricionistas, Psicólogos, Terapeutas Ocupacionais, profissionais de áreas afins e estagiários que atuam nos diversos níveis do sistema regular de ensino e instituições que atuam na iniciação da prática paradesportiva.

 

Parceria

O superintendente executivo da Seduc, Ricardo Santana, destacou a importância da parceria com o Comitê Paralímpico Brasileiro e ressaltou a importância desse seminário. “O projeto se alinha às discussões que vêm sendo feitas no âmbito da Secretaria sobre a ideia do esporte para a formação na escola, sem aquela divisão que existe do esporte escolar com o esporte de alto rendimento. Temos um dado de que 24% da população brasileira possui alguma necessidade especial. Então é importante capacitar os professes para que possam lidar com essa população de forma inclusiva e com mais qualidade de vida”, afirmou.

O vice-presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, Ivaldo Brandão, destacou que uma das metas é capacitar, pelo menos, cem mil profissionais de Educação Física até 2025, aproximando o esporte da escola. “O Brasil tem um percentual de pessoas com deficiência extremamente alto e pouca qualificação dos profissionais. O Comitê puxou para ele essa responsabilidade de oferecer essa capacitação aos profissionais da Educação Física. A Seduc é o canal direto com as unidades de ensino, por isso é importante essa parceria”, declarou.

A superintendente especial de Esportes da Seduc, Mariana Dantas, disse ser um grande prestígio receber o Comitê Paralímpico Brasileiro em Sergipe, com a possibilidade de firmar mais parcerias futuras. “Capacitar os nossos profissionais da rede para atender às crianças que têm necessidades especiais é extremamente importante. Não falta vontade, mas realmente nos falta essa capacitação. Então o Comitê vem em uma excelente hora. E o fato de Aracaju sediar o Seminário Internacional é algo grandioso”, disse.

O presidente do Conselho Regional de Educação Física (CREF-20), Gilson Dórea, fez um balanço positivo dessa cooperação entre a Seduc e o CPB visando dar uma formação dos professores. “O Conselho vê com bons olhos essa parceria, que traz a oportunidade de qualificação dos profissionais da rede. Essa capacitação visa a um foco diferenciado, que é trabalhar com o aluno com deficiência, mostrando que ele pode fazer o esporte sem o viés da performance competitiva, proporcionando lazer, qualidade de vida e saúde”, afirmou.