ico Carregando...
Logo SEEL

Gilda Antunes representa o Brasil em competições de Parabadminton

Autor: ASCOMVisitas: 267
16 de outubro de 2018

Twitter Facebook WhatsApp WhatsApp

Imagem de Capa

A sergipana Maria Gilda Antunes é o maior nome do Parabadminton no Brasil. Primeiro lugar no ranking nacional, Gilda Antunes representa o brasil em competições internacionais. No ranking mundial, Gilda ocupa 18ª posição, na categoria 1WH2. No próximo mês, a sergipana participará de duas competições internacionais na cidade de Lima, no Peru.

No período de 6 e 11 de novembro, Gilda será o Brasil no Campeonato Pan-Americano de Parabadminton. E acabando o Pan, a sergipana entra na disputa do Campeonato Sul-Americano, que acontece entre os dias 12 e 16 de novembro. Essas competições são chanceladas pela Confederação Internacional e somam pontos para o ranking mundial e para a Olimpíada do Japão.

Gilda se apresenta como uma superatleta. Amputada, ela diz que encontra no esporte, força e inspiração para superar suas deficiências. Além de ser um destaque no Parabadminton, Gilda se destaca também no basquete para cadeirantes, no voleibol adaptado, no atletismo, além de ser aluna de Educação Física da UFS e técnica de Badminton. “Sou no Brasil, a única técnica de Badminton com deficiência física.

Para chegar até a Limano Peru, Gilda contará com o apoio do Governo do Estado, através da Secretaria de Estado do Esporte, Lazer e da Juventude (Seel), que garantiu integralmente as passagens da para atleta sergipana. “Para mim, parece um sonho, pois sem essa ajuda, jamais poderia representar o meu país nessa competição internacional. É uma ajuda importante e só me resta agradecer ao secretário Antônio Hora”, pontuou a Gilda Antunes.

Gilda revela que desde 2015 é atleta do Parabadminton e tudo começou, depois que recebeu um convite do professor Marcelo Hayashi. “Ele estava desenvolvendo um projeto de extensão para adaptados. Ele já sabia que eu era atleta, já fiz natação, basquete, atletismo e vôlei. Ele achou que eu iria gostar do Parabadminton. Comecei a querer entender. Surgiram alguns cursos e eu fiz. Hoje sou técnica e atleta de Parabadminton. Foi assim que o Badminton entrou na minha vida e acho que não sai mais. Caiu no meu colo de paraquedas. O professor me dá todo suporte necessário”.

- A Gilda é uma atleta diferenciada. Ela nos inspira. Não só aos desportistas, mas é um exemplo de vida. A sociedade precisa reconhecer em Maria Gilda um exemplo de determinação, aplicação e disciplina. Por isso estamos dispostos a apoiar pessoas como Maria Gilda. É obrigação do estado sim, estimular, incentivar e apoiar atletas como Maria Gilda para que a juventude e nossa sociedade tenham um futuro melhor – disse o secretário Antônio Hora.